No boteco

Transcidade

A cidade devora seus transeuntes. Com suas luzes, seus sons e suas fumaças. De um canto pra outro, tudo é velocidade. Carros, corpos, canteiros de obra. De repente, tudo é lentidão, solidão…  e o sol que racha o asfalto e que não pára de brilhar. Beleza e calor. De dentro da janela se assiste o cristo redentor. Que se foi. A nuvem carregada o carregou. E agora a chuva cai e alaga a cidade.

Os transeuntes devoram a cidade. Comem sua gente, suas praias e seu cimento. Zona norte, zona sul, baixada fluminense. Ruas, morros e botecos. Forró-samba-rock. Medo, mistério e paixão. A noite gelada degelou o corpo. Que cai em qualquer canto até a próxima parada. Ou quem sabe a próxima caminhada.

Márcio Sales

Anúncios

30/03/2011 - Posted by | Uncategorized

7 Comentários »

  1. Tiiio, lindo, que saudade das suas aulas geniais e das suas idéias brilhantes. O boteco tá ótimo, eu tô adorando, e agora eu entendo! HAHA
    Um beijo s2

    Comentário por Rosa | 11/04/2011 | Responder

    • Querida Rosa, tantas saudades… bj

      Comentário por marciosales | 12/04/2011 | Responder

  2. Gostei Marcio
    Transcidade é a cidade atravessando a gente, né? Venha nos visitar no cidadeeducativa@blospot.com Sinais abertos pra você!

    Comentário por Bia Albernaz | 12/04/2011 | Responder

    • Oi Bia, que prazer… Já sou um sócio de carteirinha do cidadeeducativa. Tô sempre passando por lá. Bjs

      Comentário por marciosales | 12/04/2011 | Responder

  3. Essa transcidade também me atravessa…
    Por hora com um eco
    Por hora com um oco
    Por hora com um susto
    Por hora com um riso …

    Professor, cutucando sempre sai alguma coisa, rs rs rs…

    Comentário por Marcia | 11/05/2011 | Responder

  4. Querido mestre e amigo.
    Saudades de tuas aulas que tanto me fizeram bem.Será que algum dia poderei desfrutar delas????
    Ensinaste-me a gostar de Rubem Alves e isto não tem preço.
    Parabéns pelo texto “Transcidade”. Só poderia vir de um maravilhoso filósofo como tu.
    Beijocas de verdadeira luz no teu coração.
    Tua aluna, admiradora e amiga,
    Corujinha

    Comentário por Corujinha Pedagoga | 14/05/2011 | Responder

  5. No boteco me encontrei e encontrei minha cidade a transcidade que existe em mim.
    O risco que corria de me encontrar se faz doce ao entender que o tempo sempre será eu dentro de mim, mas a infinita reflexão tem que partir de mim para o mundo e a resposta do tempo do infinito.

    Obrigado Marcio por suas maravilhosas aulas no primeiro período no ISERJ.

    Comentário por Alex Vicente | 23/05/2011 | Responder


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: